Dr. Pedro Henrique

Profissional especializado em Urologia Minimamente Invasiva e Laparoscopia.

One Clinic – The Office
Av Mário Ypiranga nº 315 sala 1404
(92) 3231-1354 / 99351-5600

Mais Clínica – Cristal Tower
Av. Jor. Umberto Calderaro 455 Sala 201
(92) 99100-4500 / 3532-0535

Laser para tratamento de cálculos urinários no rim e ureter

A cirurgia de laser para cálculos no rim ou no canal do ureter (ureterolitotripsia é o nome técnico) é uma cirurgia minimamente invasiva endoscópica, ou seja, feita através de orifício natural do corpo humano – neste caso o canal da urina. Não há cortes e, portanto, cicatriz.

O LASER é a forma de energia usada para quebrar os cálculos de modo mais rápido e eficiente. A dissipação de energia para os tecidos do corpo é mínima. Existem vários tipos de LASER utilizados, cada um com aplicação específica em diferentes áreas da Medicina. Na Urologia, o tipo mais utilizado é o Holmium LASER, para fragmentar as pedras no sistema urinário.
Atualmente, já é consenso ser o litotripsia (quebra do cálculo) endoscópica com laser é o método mais eficiente para tratamento dos pacientes com cólica renal por cálculos urinários obstruindo o aparelho urinário, e também para alguns casos de pedras no rim mesmo sem sintomas, para evitar complicações futuras e a evolução da doença. Esta forma de energia tende a pulverizar o cálculo e quebrá-lo mais rapidamente, reduzindo a duração da cirurgia e aumentando as chances de o paciente ficar livre de cálculos (sistema urinário completamente limpo de pedras).

 Figura 1. Foto do gerador do laser que nossa equipe utiliza nas cirurgias para quebra dos cálculos.

Existe laser para tratamento de cálculos urinários em Manaus?

A partir de 2012, participamos da implantação desta cirurgia com uso do laser para cálculos renais em Manaus e passamos a oferecer este método como opção de tratamento para os nossos pacientes. Como até 10% da população em locais de clima quente como Manaus tem litíase, este procedimento virou uma realidade e uma rotina para nossa equipe cirúrgica. No entanto, é importante salientar que a maioria das pessoas com cálculos não precisa operar pois os cálculos são muito pequenos e assintomáticos.

Na consulta, o Urologista deve estudar o caso e discutir as melhores opções de tratamento com seu paciente. E a tecnologia hoje presente em Manaus é a mesma de grandes centros do país e no mundo. Para operar câncer de próstata, por exemplo, ofereço aos meus pacientes cirurgia robótica em São Paulo pois não há robô em nossa cidade. Felizmente, isto não é necessário para tratamento de cálculos urinários em Manaus.

Os materiais ainda são caros, mas esta cirurgia é coberta pela maior parte dos bons planos de saúde, sem qualquer custo para o paciente. A cirurgia traz grandes benefícios ao paciente, por ser realizada sem incisões (cortes), passando-se o aparelho por dentro do canal da urina.

Vantagens da Cirurgia Minimamente Invasiva com Laser para cálculos urinários

  • Internação de apenas 1 dia. Em muitos casos, o paciente poderá ir para casa no mesmo dia.
  • Menos dor no pós-operatório.
  • Menor necessidade de remédios analgésicos.
  • Ausência de cortes
  • Como não há incisões, não há possibilidade de hérnia.
  • Retorno precoce às atividades profissionais.
  • Alta taxa de sucesso (80-95% de paciente livres de cálculos, variando de caso para caso)

Como é feita a cirurgia?

O Cirurgião introduz o aparelho pela uretra (canal da urina) e avança como o mesmo até a bexiga. Depois disto, entra com este aparelho dentro do canal do ureter que conduz urina do rim para a bexiga. Quando a pedra está neste canal, o urologista já a encontra, quebra a mesma com laser e depois retira os fragmentos com uma “cestinha” desenhada especialmente para este fim (vide figura abaixo). Se a pedra estiver no rim, é necessário subir até o rim com um tipo de aparelho diferente, chamado ureteroscópio flexível, que é não é rígido e faz movimentos controlados pelo cirurgião. Atingindo o rim, o cirurgião quebra a pedra com laser e retira os fragmentos dos cálculos com a “cestinha”.
No final da cirurgia, é comum deixarmos um cateter feito de um tipo de plástico dentro do corpo, entre o rim e a bexiga, chamado cateter duplo J.