Dr. Pedro Henrique

Profissional especializado em Urologia Minimamente Invasiva e Laparoscopia.

One Clinic – The Office
Av Mário Ypiranga nº 315 sala 1404
(92) 3231-1354 / 99351-5600

Mais Clínica – Cristal Tower
Av. Jor. Umberto Calderaro 455 Sala 201
(92) 99100-4500 / 3532-0535

nefroscopio

Tratamento de cálculos renais maiores: a cirurgia renal percutânea

Na Cirurgia Renal Percutânea (CRP), o cirurgião urológico faz uma incisão de cerca de 1,5 cm na parte lateral do abdome ou no dorso do paciente (nas costas) e insere um tubo chamado Amplatz dentro rim, através do qual os cálculos são retirados após serem quebrados com auxílio de um aparelho chamado Nefroscópio.

Figura 1. Cirurgia renal percutânea: o cirurgião introduz um espécie de tubo dentro do rim, através do qual as pedras são removidas.

Este tipo de cirurgia é realizado para cálculos renais grandes, com mais de 2 cm. Em caso de cálculos menores, faz-se a ureterorrenolitotripsia a laser. Apesar de minimamente invasiva, este é considerado um procedimento de médio a grande porte, sendo realizada com anestesia geral. O principal risco é de sangramento, o que pode ocorrer porque o rim é perfurado para que a pedra possa ser alcançada. No entanto, este risco com os avanços tecnológicos atuais é pequeno. A maioria dos pacientes fica internada apenas por 2 dias, indo para casa sem nenhum tipo de sonda ou tubo, com pouca dor, podendo retornar ao trabalho (atividades laborativas leves, sem peso ou impacto) após um período de 7-10 dias. Nesta cirurgia, também pode ser necessário deixar um cateter duplo J, que é retirado geralmente em 1 a 2 semanas (o duplo J não é deixado em todos os casos).

Estes resultados são bem superiores aos da cirurgia renal aberta, na qual se realiza uma incisão na região lombar e faz-se um corte no rim para abri-lo e depois retirar a pedra lá de dentro.

Figura 2. Nossa equipe durante uma Nefrolitotripsia Percutânea.

Post a Comment